quinta-feira, 22 de maio de 2014

TRAMPLE

Apesar de este ser um fetiche muito tradicional, não é possível encontrar um vasto material específico sobre técnica para o trample. A maioria das fontes on-line discutem o trample  em pequenas notas e comentários ou através de videos e imagens. O ato de ser pisado pode ser considerado uma pratica muito dolorosa,  mas existem várias formas de realizar este fetiche. As forma mais comum de trample são feitos por uma dominadora em um homem submisso e geralmente é feito com os pés descalços, em meias ou sapatos. Mas para tornar a prática ainda mais radical o trample pode ser feito com saltos altos incluindo além do movimento de pisar, os pulos. Os locais onde o trample é mais realizados são nas costas, peito, barriga, órgãos genitais, pernas e rosto. Alguns casos raros e extremos ele é feito no pescoço, mas isso envolve muitos riscos. O risco de quebrar uma costela é sempre muito grande nesta pratica também. Por isso, é preciso saber se o tapete (homem submisso), tem experiência na prática e se ele está preparado para o nível em que o trample será realizado. Por isso é sempre indicado começar aos poucos e ir aumentando a intensidade gradativamente. Algumas vezes a dominadora pode estar sentada em uma cadeira ao lado do corpo, ou com algum tipo de apoio para as mãos que possibilite um melhor equilíbrio, sair do corpo rapidamente e também aliviar um pouco do peso sobre o tapete.  No entanto, é recorrente os praticantes de trampling buscam desafiar seus limites e ir cada vez além nessas praticas, por isso o mais importante é realmente realizar a pratica de forma gradativa e ir acompanhado a evolução do sub.