quinta-feira, 24 de julho de 2014

24/7 DIA INTERNACIONAL DO BDSM - FEMDOM

Ele achou que podia fugir da Dominadora, mas ela sabia como era a sua submissão. Por muito tempo ela permitiu que ele andasse perdido pelo mundo e o pobre homem experimentou coisas que nunca deveria ter feito. Ele gozou de uma liberdade que não era seu direito. Depois de fingir para si mesmo e para os outros o traste realmente passou a acreditar que era livre. Escondido atrás de varias máscaras ele enganou a todos, menos a Dominadora, que conhecia os caminhos para torná-lo submisso e sadicamente permitiu que ele se enganasse por todo esse tempo apenas para saborear o momento onde ela o colocaria novamente em seu devido lugar. Ela sabia que mesmo depois de tanto tempo o traste ainda lhe pertencia e bastaria ele ficar de joelhos diante de seus pés que ele voltaria a ser cativo. Ele já não era mais tão jovem e nem tão belo. Os anos de liberdade tinham feito esvair dele todas as qualidades que um bom sub precisa ter. Mas isso não importava para a Dominadora, o que ela queria não era a sua virilidade e sim, contemplar a sua submissão e vê-lo se curvar diante dela. Ela só queria fazê-lo saber quem realmente mandava.

O telefone do homem tocou e ao atender ele ficou sem palavras diante da surpresa de ouvir a voz da Dominadora. Em poucas palavras ela ordenou: Ola traste. Venha até mim, você vai me servir. Ele tentou desconversar. Mas ela repetiu: Venha me servir. Conheço sua alma. Sei que você deseja e precisa servir. Ele gaguejou e pensou em não ir, mas acabou dizendo que iria. Ela não disse nada, apenas riu, sabia que ele já estava no trilho novamente. Ele não sabia mais como ser escravo e agora era um homem cheio de vontades e caprichos. Impetuosamente ele resolveu ligar para ela e barganhar algumas condições, mas a Dominadora nem deu ouvidos, apenas riu novamente e disse que ele iria até ela para servir e ela quem ditaria as regras. Ele não sabia o que dizer a ela. Para o homem, ouvir a voz imperativa da Dominadora fez com que o homem entendesse que ele não tinha outra opção, que ele simplesmente deveria cumprir seu dever de servir.

O sol mal tinha iluminado o dia e o homem chegou na casa da Dominadora. Ele estava agitado e falava sem parar. Chegou conversando como se estivesse em sua própria casa sobre assuntos que pouco importavam, enquanto isso ela apenas o observava. Ela permitiu que ele falasse, sabia que ele estava ansioso, mas ela não prestou atenção em nada do que ele dizia. Quando ele parou um pouco ela resolveu perguntar: Você veio para me servir? Ele riu e começou a falar que tinha ficado mexido com o telefon... Ela interrompeu perguntando: Sim ou Não?  Ele balançou a cabeça positivamente. Então ela ordenou: Diga SIM SENHORA. E assim ele fez. Ela chegou perto dele e sussurrou em seu ouvido – não se preocupe sei o que estou fazendo, conheço seus desejos e seus limites, estou pegando de volta o que sempre foi meu. Sei que você agora é um traste imprestável, mas na hora que eu terminar de usá-lo tudo estará em seu devido lugar e você terá mais certezas do que as duvidas que passam por sua cabeça agora. Você veio para servir e é isso que você vai fazer.

Vou lhe explicar as condições de sua servidão disse a Dominadora. Ela começa agora e só termina daqui 24 horas. Você tem o direito de desistir, mas se optar por desistir no meio do caminho, você não será usado e ficara preso ate o final do tempo, só sendo liberado depois disso. Você será usado como escravo doméstico e será usado sexualmente. Mas saiba que você não esta aqui para ter prazer e sim para me servir e dar prazer. Vou lhe dar tarefas e você vai cumprir todas. Se não cumprir alguma tarefa você será castigado severamente. Se não aceitar o castigo, você não será mais usado e ficara preso ate o final do seu tempo de servidão. Aqui eu sou a Dominadora e você é o verme que rasteja. Você entendeu, perguntou ela. E ele respondeu: SIM SENHORA.

As ordens
  • Tire toda a roupa.
  • Nunca levante o olhar sem uma ordem explícita, quando eu estiver perto só olhe para meus pés.
  • Nunca toque seu pênis sem ser ordenado para isso.
  • Silêncio absoluto. Só fale quando for responder alguma pergunta, ou se for autorizado a falar.
  • Fale para a câmera que vou lhe filmar em um vídeo privativo meu: Faça um depoimento dizendo quem é você, que dia é hoje, o que você veio fazer aqui e quem vai te usar e porque.  Implore para eu lhe Dominar ou ficara preso sem ser usado para nada.
  • Fique de joelhos.
  • Adore meus pés.
  • Me faca um oral até eu gozar.
  • Prepare meu banho.
  • Arrume toda a casa.
  • Limpe todos meus sapatos.
  • Faça um oral em meu amigo.
  • Faça um oral em meu segundo amigo.
  • Adore meus pés.
  • Deite na cama que vou lhe torturar e inverter.
  • Não goze.
  • Beba toda minha urina.
  • Prepare um banho.
  • Tome banho.
  • Coloque o cinto de castidade e vá na rua comprar um lanche.
  • Coma a sobra da comida.
  • Adore meus pés.
  • Faça oral em um terceiro amigo.
  • Faca massagem até eu pegar o sono.
  • Durma no chão ao lado da cama.
  • Sirva o café da manha na cama.
  • Me faça um oral até eu gozar.
  • Prepare meu banho
  • Fique de joelhos e tome minha urina toda.
  • Fique de quatro, conte e agradeça cada chicotada.
  • Tome um banho e vista se.
  • Fale para a câmera que vou lhe filmar em um vídeo privativo meu: O que eu fiz com você nas ultimas 24 horas?  
  • Fique de joelhos e beije meus pés. E nunca mais esqueça que você é meu para sempre.
  • Vá embora e relembre cada momento vivido aqui. Você veio para servir e não para ter prazer, então vá embora, depois de servir, ser castigado e sem gozar. Eu mando e você obedece. Você sempre será meu capacho e eu sempre farei o que eu quiser. Quando eu entrar em contato você virá servir novamente.