quinta-feira, 25 de agosto de 2011

PRIVAÇÃO SEXUAL TOTAL


Consideramos abstinência sexual o ato voluntário ou involuntário de abster-se parcialmente ou completamente de relações sexuais vaginal, oral, anal ou na forma de masturbação envolvendo dois ou mais indivíduos. Consideramos abstinência sexual involuntária a privação obrigatória por motivos religiosos, filosóficos, físicos, psicológicos ou morais. Um escravo bem prendado vive em regime de privação total sexual e desenvolve habilidades para se manter em abstinência. Para ele não é permitido nem um tipo de atividade envolvendo estímulos sexuais sem o consentimento de sua dona.

A condição de abstinência gera efeitos psicológicos que são de grande valia para a consolidação do poder de uma mulher sobre o homem. No entanto a abstinência provoca reações físicas diversas e por isso ela deve ser uma condição gradativa. Mesmo que eventualmente o homem não resista e quebre com seu voto de castidade,  ele deve sempre ser incentivado a retomar a privação e se manter em abistinência. Eventualmente alguns estímulos sexuais se fazem necessários para suprir momentos de crises de abstinência, porém o alívio total nunca deve ser permitido. Caso ocorra um orgasmo acidentalmente o processo de privação deve ser reiniciado imediatamente. Nos homens, após 3 dias a potência e volume de sêmen dobram, após 10 dias esse quadro começa a se reverter e gradativamente o homem passa a controlar melhor sua condição de abstinência.

Diferente do que se pensa, o homem a longo prazo, é muito mais adaptável à condição de abstinência sexual do que a mulher. A privação promove grandes mudanças comportamentais em sua vida e depois que ele supera o período inicial de agitação e ansiedade em pouco tempo eles encontram a serenidade e se tornam extremamente dóceis. Nas mulheres, após 10 dias sem sexo, as paredes vaginais começam a perder sua elasticidade e inicia um processo de ressecamento. Para elas se o falta de sexo durar vários meses ou anos, ela pode perder a capacidade fisiológica de transar e com isso a pratica se tornar muito difícil e dolorosa. Por isso a abstinência não é recomendada para as mulheres.